Experiência na Página

Experiência na Página: conheça o novo algoritmo do Google.

Uma nova maneira de medir como está a experiência de quem visita a sua página

O Google anunciou que trará, em 2021, uma atualização de algoritmo de Experiência na Página. Ela será um fator definitivo para o ranqueamento no site de buscas.

Esse aviso antecipado permite que você ajuste do seu site para as atualizações que virão.

Por isso, foque nos fatores que influenciam a relevância dele para que apareça na primeira página do Google.

O que é a Experiência na Página?

Em primeiro lugar, o próprio Google explica:

O sinal de experiência na página mede aspectos de como os usuários percebem a experiência de interação com uma página da web. Otimizar para esses fatores torna a web mais agradável para usuários em todos os navegadores e superfícies e permite que os sites evoluam em direção às expectativas dos usuários mobile.

Ou seja, o Google quer garantir que os sites que estiverem nos primeiros lugares do buscador sejam os melhores para o público.

Sendo assim, sites que já são otimizados pensando na experiência do consumidor vão ranquear mais alto do que os que não são.

A prioridade ainda será dos sites com mais informações gerais, no entanto, aqueles que tiverem melhor responsividade, interatividade, segurança e velocidade para o usuário, estarão na frente.

Com essa atualização, a intenção é deixar a internet um lugar de navegação fácil, evitando pop-ups, telas que se abrem sozinhas e cliques indesejáveis, por exemplo.

Veja o vídeo explicativo disponibilizado pelo Google:

Fonte: Google Webmasters

As métricas por Core Web Vitals

As métricas serão feitas a partir do “Core Web Vitals”. Em outras palavras, indicarão desde a velocidade e a capacidade de interação até a estabilidade visual.

Dessa forma, se destacam as métricas:

  • LCP (Largest Contentful Paint ou Exibição do Maior Conteúdo): Avalia qual o tempo necessário para carregar o maior elemento presente na página, geralmente uma imagem em alta resolução. Este índice deverá ser de até 2,5 segundos desde o primeiro carregamento.

Por isso, uma opção para melhorar o seu LCP é diminuir o número de imagens da página inicial e reduzir ou remover o número de scripts e widgets.

  • FID (First Input Delay ou Latência de Entrada): Avalia o intervalo entre a primeira interação do usuário, clicando no link, por exemplo, e o momento em que o navegador responde a essa ação. O tempo de resposta deve ser inferior a 100 milissegundos.

Para otimizar o seu FID, o ideal é minimizar ou pelo menos adiar para páginas secundárias os scripts do seu site, deixando a página inicial mais leve.

  • CLS (Cumulative Layout Shift ou Mudança de Layout Cumulativa): Mede o quanto o layout da página e a movimentação dos elementos pode prejudicar a experiência do usuário. A avaliação do CLS poderá variar de 0 a 1, mas, para ser considerado excelente deve ser inferior a 0,1.

Para resolver esse problema, é preciso mudar o tamanho das imagens e elementos, para que a página carregue melhor.

Obviamente que as práticas de SEO já existentes também serão avaliadas como: segurança da navegação, HTTPS, adaptação para dispositivos móveis e ausência de elementos que prejudicam a experiência do usuário.

Como saber em qual lugar do ranking o seu site está

Ainda há tempo de fazer algumas mudanças para que o seu site seja beneficiado com essa atualização do Google.

Meça a sua posição no buscador e providencie o mais rápido possível a otimização do seu site.

Conheça algumas ferramentas que te ajudam a fazer isso:

1)      Google Lighthouse

2)      Google Search Console

3)      Mobile-Friendly Test

4)      PageSpeed Insights

5)      Crazy Egg

Outras práticas para melhorar o ranqueamento do seu site no Google

Com essa atualização, o Google quer deixar no topo das suas buscas sites que os usuários mais gostam.

E, se você ainda não tem um site bem ranqueado, ainda dá tempo de mudar.

Veja o que mais pode fazer:

  1. Crie bons conteúdos para que o usuário fique por mais tempo no seu site e garanta palavras-chave importantes para o SEO e ranqueamento;
  2. Melhore a velocidade de onde o seu site está hospedado e tenha mais estabilidade e segurança;
  3. Mantenha o seu perfil atualizado no Google Meu Negócio, pois quanto mais informação você disponibilizar para o seu público, mais fácil será de te achar;
  4. Acelere o seu CMS para que o seu site tenha uma alta performance;
  5. Não esqueça da versão mobile para a sua página;
  6. Faça benchmarking e veja o que os seus concorrentes estão fazendo para melhorar o SEO e otimizar o site deles.

Por fim, o Google está se preocupando cada vez mais com a experiência do usuário e adaptando seu algoritmo para que ele encontre o que realmente o agrada quando usar o buscador.

Entenda essa atualização e mude o que for necessário nas suas páginas.

Não se esqueça de utilizar boas ferramentas de otimização e de focar, principalmente, no que o seu púbico gosta, quer e precisa.